Paim pelo interior gaúcho Notícia postada em 24.07.2017


Em dois dias, senador visitou seis cidades do interior do Rio Grande do Sul. Entre as atividades estavam plenárias regionais, encontro com grupos de idosos e visita a assentamento agrário.

O presidente da CPI da Previdência, senador Paulo Paim (PT), cumpriu intensa agenda na sexta-feira (21) e no sábado (22). Os encontros tiveram como tema a conjuntura nacional e as reformas trabalhistas e da Previdência. 

Os municípios visitados foram Faxinal do Soturno, Júlio de Castilhos, Cruz Alta, Constantina, Planalto e Ronda Alta. “Sempre que posso volto ao velho Rio Grande para encontrar as minhas origens, rever este povo maravilhoso, tomar um chimarrão e renovar as energias”, afirmou.

A caravana do senador Paim contou com a presença do deputado federal Dionilso Marcon, do presidente da Assembleia Legislativa do RS, deputado Edegar Pretto e do deputado estadual Altemir Torttelli, além de prefeitos, vereadores e lideranças sociais.  

Faxinal do Soturno
A primeira parada, sexta-feira à tarde, foi em Faxinal do Soturno.  A caravana foi recebida na Câmara de Vereadores por um grupo de cantores e gaiteiros que deram as boas-vindas. O grupo de “estradeiros” esteve presente em diversas atividades da caravana. 

“Em um período de dois anos o país poderá ter cinco presidentes”, citando Dilma, Temer, Maia e outro escolhido pelo voto indireto e um eleito pelo voto popular nas eleições de 2018. “Isso não é normal”, afirmou Paim.

Júlio de Castilhos
Paim visitou o assentamento Ramada, localizado na Comunidade Invernadinha, onde residem mais de 100 famílias assentadas. Em um discurso emocionado, ele se ajoelhou e pediu desculpas aos trabalhadores pelos senadores que votaram a favor da reforma trabalhista e contra o povo brasileiro.  

Cruz Alta 
A pluralidade de entidades e movimentos sociais foi a marca da plenária regional realizada na Câmara de Vereadores, ainda na sexta. O evento foi organizado pela Frente Brasil Popular.  Após conceder entrevista coletiva, o senador acompanhado do prefeito de Cruz Alta, Vilson Roberto Bastos dos Santos, falou para um plenário lotado de representantes de entidades sociais, estudantes, sindicalistas, movimento negro e LGBT.

Paim criticou os senadores que votaram contra os trabalhadores e a favor da reforma trabalhista. “Conversei com todos os senadores. Eles me respondiam que não conheciam a redação por inteiro e, mesmo assim iam votar com o governo”. Ainda, segundo Paim “é inacreditável o que está acontecendo no Brasil”, enfatizando que “ ou você serve ao deus mercado, ou ao povo brasileiro”. 

Constantina
O plenário da Câmara de Vereadores ficou completamente lotado no sábado (22). “No Brasil, hoje temos um poder Executivo podre, um Congresso apodrecendo e um Judiciário que cheira mal”, afirmou. Para ele, o Brasil precisa de um novo projeto de nação: “Devemos nos unir em torno de causas e não de nomes”.  

Paim conclamou a união dos movimentos sindical e social, partidos políticos, entidades da sociedade, empresários com responsabilidade social a fim de construir um verdadeiro projeto de nação, o que ele chama de Frente Ampla pelo Brasil. Em Constantina a caravana foi recepcionada pelo prefeito Jerri Savariz.

Planalto 
Paim participou de encontro municipal da terceira idade. Ele foi recebido pelo prefeito Antonio Carlos Damin, pelo vice Gabriel Olkoski e pelo presidente da Câmara de Vereadores Alessandro Kunzler. Ao falar sobre o Estatuto do Idoso (Lei 10.741/2003), de sua autoria, ele lembrou que o Estatuto beneficia mais de 40 milhões de brasileiros. “É uma das leis sociais mais importantes criadas nos últimos 50 anos”.  

Ronda Alta
No berço do MST, o evento ocorreu no Ginásio Adão Pretto, deputado federal falecido em 2009 que foi colega de Paim na Câmara. Adão é pai de Edegar Pretto. O presidente da Assembleia lembrou que ainda jovem ligou para seu pai, e este disse estar na Câmara ao lado do então deputado Paulo Paim que fazia greve de fome por um salário mínimo de 100 dólares.

Sobre a votação da reforma da previdência que o governo Temer pretende retomar com força no Congresso Nacional na volta do recesso, Paim disse que “essa reforma não há de passar. Ela vai para a lata do lixo da história junto com aqueles que quiserem aprová-la”.

A plenária teve a participação de várias lideranças partidárias, entre elas, o prefeito Miguel Gasparetto (PT), o vice Odemar Raimundi (PSB), além dos presidentes do PT, PTB, PC do B e do Reitor da Cesurg, Rafael Rossetto.

Compartilhe nas redes sociais: