Para Paim, ‘reforma trabalhista é um Cavalo de Tróia de Temer para se manter no governo’ Notícia postada em 13.06.2017


Vídeo
O senador Paulo Paim (PT-RS) realizou a leitura do seu voto em separado sobre a reforma trabalhista (PLC 38/2017), nesta terça-feira (13), por cinco horas, na Comissão de Assuntos Sociais (CAS). Paim pediu mais uma vez para que a reforma seja retirada de pauta.

“Essa reforma trabalhista é um Cavalo de Tróia desse presidente da República para se manter no poder. Eu peço que retirem essa reforma da pauta e deixem o povo brasileiro trabalhar. O Brasil não precisa dessa reforma tão cruel”, argumentou. 

O voto em separado funciona, na prática, como um parecer alternativo que pode ou não ser acatado pelos demais senadores. 

“A reforma trabalhista é inconstitucional e fere de morte a proteção da dignidade humana. É uma verdadeira prova de fogo para o trabalhador”, disse Paim.

O parecer do senador defende a rejeição integral ao projeto da reforma trabalhista e o documento trata especialmente de quatro temas: condições de trabalho, organização sindical, negociações coletivas e justiça do trabalho.

“A reforma trabalhista é um atentado ao combate à pobreza e às desigualdades sociais. Uma avenida para o aumento da marginalização”, declarou. 

Para o senador, essa reforma é um golpe mortal nas conquistas históricas do operariado, do homem do campo e de todos os trabalhadores.

“Explodir a nossa pedra sagrada, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), é algo inaceitável e que só nos faz unificar cada vez mais a nossa resistência”, afirma. 

De acordo com Paim, o trabalho intermitente é a volta da escravidão, pois o trabalhador fica à disposição da empresa 24 horas por dia e não tem nenhum direito garantido.

“É a maior crueldade com o trabalhador”, afirmou Paim. 

O projeto já passou pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e em seguida, deve ser analisado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), para depois chegar no Plenário.

Compartilhe nas redes sociais: