Registro sobre ataques a duas mesquitas na Nova Zelândia

15.03.2019

Senador Paulo Paim (PT/RS)
paulopaim@senador.leg.br

Senhores Presidente,
Senhoras e Senhores senadores.

Ataques contra duas mesquitas na Nova Zelândia deixaram 49 mortos e 48 feridos nesta sexta-feira. 

Quatro pessoas envolvidas foram detidas. No momento, as mesquitas estavam lotadas com mais de 300 pessoas: homens, mulheres, crianças, jovens, idosos.  

O mundo, mais uma vez, presencia um dia sangrento. O massacre foi transmito ao vivo pelas redes sociais. Um dos assassinos tinha uma câmara instalada no capacete. 

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, definiu o ataque como "um ato de violência sem precedentes" e que esse é "um dos dias mais sombrios da história do país". 

Abre aspas, ...

... “Como isso pode ter acontecido? Nós, não fomos atacados por sermos um porto seguro para aqueles que odeiam. Não fomos escolhidos para esse ato violento... por tolerarmos o racismo, por sermos um paraíso para o extremismo...

Fomos escolhidos justamente porque não somos nada disso. Porque representamos a diversidade, a bondade e a compaixão. Um lar para aqueles que compartilham nossos valores, um refúgio para aqueles que necessitam”, fecha aspas. 

Jacinda também fez um apelo para que as pessoas que tiveram acesso não compartilhem em suas redes as imagens do atentado. O Facebook anunciou que removeu as cenas postadas em sua plataforma e também do Instagram. 

Senhor Presidente,

Eu já havia falado aqui, na quarta-feira, da importância de que discursos de ódio e violência, racismos e discriminações, sejam banidos das redes sociais...

... Inclusive Lancei uma campanha “Paz nas redes sociais – Leve essa ideia adiante”.  

O mundo precisa de tolerância, as pessoas precisam compreender que aceitar as diferenças são virtudes. A tolerância é um esteio da humanidade...

Já a intolerância é irmã do radicalismo, fonte de discórdia e de desamor.

A solidariedade, do latim, significa união...

Estar unidos por um ideal. É isso que nós precisamos, que o Brasil e o mundo necessitam, um ideal: o da paz e do amor.

Nós temos que encontrar essa dimensão, esse caminho... Esse plano de unidade, a paz consigo mesmo, essa energia que vai nos conectar com o universo. 

Se nós conseguirmos nos reconhecer, fazermos essa comunicação com o nosso eu, viver uma unidade de consciência, nós vamos entrar nesse espaço de vida e alma eterna.

Era o que tinha a dizer,
Sala das Sessões, 15 de março de 2019.
Senador Paulo Paim. 
Compartilhe nas redes sociais: