Reunião da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Previdência Social define estratégias de mobilização no Congresso Nacional

06.02.2019

Senador Paulo Paim (PT/RS)
paulopaim@senador.leg.br

A Frente Parlamentar Mista em Defesa da Previdência Social foi, é, e continuará sendo fundamental para a defesa do sistema previdenciário público brasileiro.

Somos um farol a iluminar e a mostrar o caminho da resistência e da busca por melhores dias para todos os trabalhadores e trabalhadoras. Enganam-se aqueles que pensam que conseguirão calar as nossas vozes.

Essa Frente tem, neste que vos fala, a coordenação no Senado, bem como, a coordenação de Arnaldo Faria de Sá na Câmara dos Deputados. 

Compomo-nos de vários parlamentares de diferentes matizes ideológicas e partidárias, com a representação de mais de 100 entidades da sociedade civil, da COBAP e todas as Centrais Sindicais.

Eu e o Arnaldo iniciamos esse trabalho de construção dessa Frente lá na Assembleia Nacional Constituinte, há 30 anos. Muitos não acreditavam, mas o sonho se tornou realidade.

Estou feliz que o deputado André Figueiredo, do PDT, do Ceará, irá assumir a coordenação dessa Frente na Câmara. Terá todo o meu apoio e, também, apoio do deputado Arnaldo.      
 
Os homens públicos têm que entender a sabedoria de quando é chegado o momento de passar o bastão adiante, pois o trabalho é coletivo. Cada um, individualmente, se soma ao grupo. Assim é a vida, assim é a política. 

Por compreender este momento, e o faço conscientemente, estou propondo que essa Frente escolha um outro nome, senador ou senadora, para coordenar a Frente naquela Casa, ou seja, no Senado Federal.

Estaremos juntos com vocês, com os trabalhadores e trabalhadoras, com todos os brasileiros e brasileiras, contra a retirada de direitos. Estamos abertos ao diálogo. 
Reafirmo que não aceitamos a entrega da Previdência Social aos tubarões do mercado financeiro e às garras daqueles que só buscam o lucro. Nós pensamos na melhoria de vida das pessoas.

Eles falam em regime de capitalização. Na realidade, isso significa poupança individual. Dessa forma não teremos mais contribuições, nem sobre o lucro, faturamento, loterias, PIS-Cofins, jogos lotéricos, contribuição sobre a folha de pagamento (20%), e nem quando alguém comprar ou vender um bem.

A CPI da Previdência foi ousada, mostrou a verdade para a sociedade brasileira. O sistema é superavitário. Tive a hora de presidir essa comissão parlamentar de inquérito, sendo o senador Hélio José o relator. 

A CPI sugere: cobrar os devedores, combater as fraudes e sonegações, fortalecer os órgãos de fiscalização, fim das políticas de desonerações e desvios (DRU e Refis), ...

... acabar com as apropriações indébitas, aprovação da PEC 15, que impede a retirada de recursos da Previdência, auditoria da dívida pública. 

Se essas propostas forem colocadas em prática, trilhões de reais deixarão de sair dos cofres da Seguridade Social. Isso é realidade. E nisso nós acreditamos.

A nossa luta em defesa da Previdência Social pública continua. Mais do que nunca, o nosso bom combate está redobrado e revigorado. Não esquecemos que lá fora as dores das ruas são mais visíveis e os gritos dos discriminados, cada vez mais, aumentam. A nossa responsabilidade é enorme.
 
Buscamos, cotidianamente, pintar um cenário de bem-estar social para o povo brasileiro, onde todos tenham pão, as crianças estejam na escola, 

... onde ninguém morra por falta de atendimento médico, onde haja emprego digno, onde os aposentados sejam reconhecidos, onde os trabalhadores e trabalhadoras sejam respeitados em seus direitos. 

Viva a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Previdência Social. 

Brasília, 06 de fevereiro de 2019.
Senador Paulo Paim. 

Compartilhe nas redes sociais: