Homenagem aos garis

13.06.2018

Senador Paulo Paim (PT/RS)
paulopaim@senador.leg.br

Senhor Presidente,
Senhoras e Senhores Senadores. 

Subo à tribuna hoje para homenagear os nossos garis. Quero parabenizar esses profissionais que, ...

... de maneira quase invisível para a maioria das pessoas, contribuem enormemente para a higiene das cidades e para a saúde da população.

Higiene é saúde! Nossos garis, mais do que simplesmente limparem as ruas, estão implementando uma importantíssima política pública preventiva. 

Política de saúde não acontece só nos hospitais. Higiene significa menos gente contaminada, menos doenças, o que, inclusive, desafoga o sistema de saúde e diminui os gastos públicos. 

Lembremos aqui, por exemplo, da Peste Negra, uma das mais devastadoras pandemias na história humana, ...
... resultando na morte de 75 a 200 milhões de pessoas na Europa e na Ásia, cerca de 25% da população mundial da época.

A doença é causada ao homem por uma bactéria presente na pulga do rato. Ou seja, está diretamente relacionada a más condições de saneamento básico e higiene urbana.

Também não podemos deixar de falar da relação intrínseca entre limpeza urbana e doenças como dengue, zika e chikungunya. 

O mosquito só procria porque lhe damos espaço para se desenvolver. 

Talvez, a adoção de uma política de limpeza urbana mais eficiente e ... 

estrategicamente planejada já tivesse nos deixado livres dessas pragas urbanas.

Que tal começarmos a olhar para os garis como os verdadeiros profissionais promotores de saúde que são? 

Talvez devessem até começar a usar branco em vez de laranja, tão grande é a relação entre o trabalho deles e a promoção da saúde pública. 

Senhor Presidente,

Por que eu falo sobre essas coisas? Por que eu falo coisas extremas como mudar a cor da roupa dos garis? 

Eu tenho a clara convicção de que um dos meus maiores papéis enquanto Senador é dar visibilidade aos invisíveis.

O Brasil tem que enxergar os garis como profissionais promotores de saúde que são.

Precisamos reconhecer a importância daqueles que realizam um serviço que muitos não gostariam de realizar.

Existem diversos projetos que tramitam no Congresso há quase uma década, sem nunca terem sido aprovados, ...

... porque não conferimos o devido valor e a devida importância aos destinatários destes projetos: os garis!

A PEC 34, de 2010, por exemplo, prevê o estabelecimento de piso salarial nacional para os servidores públicos da área de limpeza urbana.

O PLS 464, de 2009, fixa o piso salarial do gari e define o grau do adicional de insalubridade que lhe é devido.

O PLS 155, de 2010, regulamenta o pagamento de adicional de insalubridade e a concessão de aposentadoria especial ao trabalhador que exerça as atividades de coleta de lixo e de varredura de vias e de logradouros.

Todas essas proposições são de minha autoria, sendo que a mais recente tramita no Congresso Nacional há mais de 8 anos...

Senhoras e Senhores Senadores,

É preciso que os profissionais de limpeza urbana recebam, de forma justa, um salário que lhes permita viver com dignidade.

Temos que priorizar a aprovação desses projetos. 

Acho curioso a sazonalidade com que os servidores públicos da área de limpeza urbana são lembrados: ...

... quando estão em greve; ou após o natal e réveillon; ou após algum outro evento grande como um festival de música; no carnaval. 

Quando as câmeras da TV mostram uma quantidade absurda de lixo acumulado, muitas vezes nos vem o pensamento: quem vai conseguir limpar isso tudo?

Eles limpam! Eles sempre limpam! E não apenas nessas situações de grande acúmulo, mas também nas situações corriqueiras, no dia a dia. 

Mas, passados os grandes eventos, ou os grandes tumultos, eles, como num passe de mágica, regressam à invisibilidade.

Invisibilidade essa que às vezes é bastante cruel.

Por não lembrarmos deles com maior frequência, acabamos nos esquecendo de separar adequadamente o lixo seco do lixo orgânico.

Acabamos misturando o lixo inofensivo com cacos de vidro e outros materiais cortantes e, por nossa culpa, aqueles que estão fazendo o trabalho que ninguém quer fazer, acabam se ferindo.

Devemos ter mais cuidado com nosso lixo. Afinal, leva tão pouco tempo separar o lixo, embalar adequadamente cacos de vidro. 

Tenhamos sempre em mente que uma pessoa vai mexer no nosso lixo, e que ela pode se machucar.

Senhor Presidente, 

Questões trabalhistas e salariais são muito importantes para a categoria dos profissionais de limpeza urbana, pois, a remuneração, em geral, é baixa.

Mas fortalecer a mensagem de cuidado que devemos ter para que não se machuquem no exercício de seu trabalho também é fundamental.

Transmitir a mensagem do cuidado relaciona-se diretamente com a dignidade do ofício. 

Significa que a gente se importa com eles, que não queremos que se machuquem, que compreendemos a essencialidade do trabalho que realizam e que lhes somos muito gratos.

Façamos nossa parte também. Limpeza urbana não é trabalho só dos garis, mas de toda a sociedade.

Tenhamos sempre em mente que a higiene é um dos maiores vetores de saúde.

Era o que tinha a dizer,
Sala das Sessões, 13 de junho de 2018.
Senador Paulo Paim. 
Compartilhe nas redes sociais: